Bastidor (Cinara Marques)ColunasPolítica

BASTIDOR: Aula na rua: protestos marcam a quarta-feira de paralisação nacional na educação contra os cortes do Governo Bolsonaro e à reforma da previdência

Coluna BASTIDOR – Cinara Marques – Portal Tribunna

Profissionais de educação, estudantes, movimentos sociais, partidos de esquerda,funcionários públicos, comunidade em defesa da educação, sindicatos, sociedade civil de um modo geral. Todos estão gritando nesta quarta-feira, 15 de maio, contra o desastre do (des)governo de Jari Bolsonaro e mais ainda, pelo ataque às instituições federais de ensino, universidades, |à educação e aos trabalhadores e aos mais pobres do Brasil.

O ataque já vem desde o começo do governo com nomeações desastrosas para o comando do Ministério da Educação: dois ministro e um desmonte generalizado da educação em todos os níveis no Brasil. No campo do ensino básico, municípios alegam que programas como o do livro didático está paralisado tanto quanto a paralisia deste governo na educação.

Crianças da rede pública que estão sendo prejudicadas porque até o momento não foram enviados os livros de um censo escolar concluído ainda antes do final do ano passado. Agora o desastroso governo resolveu partir pra cima das universidades, do ensino público federal, atacando com o corte de 30% as verbas que são repassadas e propostas para serem direcionadas para a manutenção das universidades federais e institutos federais em todos os estados.

O corte é o maior ataque já feito ao sistema de educação superior da história do Brasil. Sem os recursos, os reitores já avisaram que as instituições param em no segundo semestre, em meados de setembro. O governo com a desculpa que é uma prevenção por causa da situação econômica delicada do País para disfarçar um ataque desproporcional, ideológico e inconsequente. As medidas desastrosa de Bolsonaro e sua turma, põem em xeque todo o ensino superior federal do País, por onde se pratica o ensino, a pesquisa e a extensão.

“A CNTE– Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação – convocou essa greve que é um esquenta para a paralisação nacional de 14 de junho com todos os trabalhadores do Brasil parando. O governo vem colocar em cima dos trabalhadores o peso da reforma da previdência e vem tomando medidas como essas do corte nas universidades. Isso prejudica alunos que não têm como se manter sem o apoio da universidade, a pesquisa que sem investimento o País não cresce. As universidades e institutos federais abraçaram essa greve hoje”, disse o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Pernambuco, em Petrolina, Robson Nascimento.

Vereador Gilmar Santos distribui informativos aos manifestantes. (Foto> Fernando Pereira)

Na cidade, a concentração ocorreu na Praça do Bambuzinho, Centro de Petrolina e com a presença de representações de outros municípios do entorno. Toda a rede estadual esteve parada. A vizinha Juazeiro/BA também esteve organizando atos saindo da Universidade Federal do Vale do São Francisco – UNIVASF – campus no município baiano para ruas centrais. Agorá à tarde, a manifestação ocupa a Rua da Aurora em frente ao Ginásio Pernambucano, no bairro da Boa Vista, no Recife. De lá seguem até a Praça do Carmo no Centro da capital pernambucana.

 

Tags

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar