AgronegóciosTRIBUNNA Rural

Colonos de Petrolina/PE denunciam irregularidades em eleição do Distrito de Irrigação Nilo Coelho

Por Cinara Marques – Porta Tribunna

Colonos do perímetro irrigado Senador Nilo Coelho, em Petrolina (Sertão do São Francisco), contestam eleição da nova diretoria do Distrito de Irrigação Senador Nilo Coelho. Os colonos Jeremias Cabral e Sebastião Eloy (Sebastião Suada), denunciaram o pleito ocorrido na última terça-feira, 29, por não dar espaço aos pequenos produtores do perímetro que, segundo os mesmos, representam a ampla maioria dos produtores irrigados do Nilo Coelho. As declarações dos colonos foram dadas nesta manhã de sexta-feira, 3 de maio, no programa Nossa Voz da Rádio Grande Rio FM.

Jeremias Cabral e Sebastião Suada disseram que já acionaram a justiça para contestar o resultado e sinalizam a criação de um distrito de irrigação formado somente pelos pequenos irrigantes. “Hoje somos mais de 2 mil, então 6 não podem representar essa maioria de pequenos produtores”, assinalou Jeremias. Suada completou. “Hoje somos discriminados por esse Distrito e não vamos aceitar mais essa situação.

Perímetro Senador Nilo Coelho, Petrolina/PE

Jeremias ressalta que sempre trabalhos nos perímetros e ainda hoje, presta assistência a dois assentamentos na área irrigada em Petrolina. Ele registrou que irá procurar a Codevasf para realizar uma pesquisa no índice de satisfação do funcionamento do sistema de irrigação atual e, depois, vai propor uma audiência pública, através da Câmara de Vereadores, para debater a situação dos pequenos produtores do Perímetro Irrigado Nilo Coelho.

“Vamos procurar a Câmara e realizar  uma audiência pública. Primeira, iremos solicitar à Codevasf a realização de uma pesquisa dos pequenos e médios produtores e depois realizar uma audiênci pública na Câmara. O presidente da Casa é colono e todos os vereadores são votados nos projetos irrigados, então acreditamos nesse encaminhamento”, disse Jeremias Cabral.

A eleição da nova diretoria do DINC que vem sendo contestada reúne 7 pessoas> um grande produtor,  dois médios e quatro pequenos, mas os colonos contestam essa questão de pequenos nessa chapa única que segundo denunciam Sebastião e Jeremias, ocorreu dessa forma por falta de divulgação do Distrito sobre o pleito.

Conforme Sebastião, pequenos nesta questão da diretoria do Distrito, na verdade burlam o sistema, pois são grandes produtores como 4 ou 5 lotes, pra ele não se encaixa em pequenos produtores. “Sempre corri atrás, trabalho por todos os colonos e reitero que só unidos, poderemos mudar esse quadro desse Distrito que não nos respeita”, dispara o produtor da área Maria Tereza do Nilo Coelho.

DESINTERESSE

Jucelio Cavalcanti, conselheiro eleito dia 29, entrou no ar por telefone, contestando os entrevistados. Segundo o mesmo, a verdade e que nem Jereminas nem Sebastião se interessaram em participar do processo de escolha da nova diretoria do DINC, essa é a verdade posta, frisa Jucélio.

“Eu falo por mim não pelos outros conselheiros, sobre as eleições do Distrito.Na outra eleição fui conselheiro fiscal, e mesmo sem tempo, dou minha contribuição. Mas infelizmente falta interesse das pessoas. Não é verdade que os colonos não foram avisados, pois o aviso vem na conta da água. Agora não existe interesse. Jereminas mesmo poderia ter se inscrito. O problema é que essas pessoas só sabem reclamar, na hora de ajudar não ajudam,. Eu mesmo com minhas roças, dou minha parcela de contribuição, diferente deles. O Distrito apenas administra o perímetro, Quem toma conta são os colonos e produtores. Houve três chamadas para as assembleia, agora os produtores não vão e ainda reclamam”, ressaltou o conselheiro.

Na réplica, Jeremias disse que não iria perder tempo, respondendo a Jucélio. “O pequeno paga 150 hectares por mês; Não classifico de falta de interesse e sim um afastamento natural dos pequenos por não ter seus direitos respeitados, a exemplo do assentamento Sol Nascente que a Codevasf autorizou a ligação da água para 10 mil famílias serem beneficiadas e o Distrito não ligou.

Sebastião também respondeu ao conselheiro. “O pequeno produtor não tem vez nesse Distrito. Tenho 20 nos de associado e 32 anos que meu sogro adquiriu um lote no Nilo Coelho. Sou colono, cumpro com minhas obrigações, portanto, quero meus direitos cumpridos e respeitados. Não vamos aceitar mais nenhuma humilhação”, finalizou Sebastião Suada.

 

 

FOTOS: REPRODUÇÃO INTERNET

Tags

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar