Política

Vereador recua e retira projeto de decreto legislativo que daria título de cidadão petrolinense a Jair Bolsonaro

“A gente retirou porque não sentiu segurança na questão da votação”, alegou o autor da matéria, vereador do PSH de Petrolina/PE, Eliar Jardim, que precisaria de maioria absoluta, mas só obteve 12 e 16 votos que precisava para que Bolsonaro fosse cidadão petrolinense. Ele frisa no entanto que o texto continuará tramitando na Casa.

Por Cinara Marques – Notícias do Legislativo – Portal Tribunna

O vereador Elias Jardim, do PHS de Petrolina/PE, teve que retirar da pauta da sessão da Câmara Municipal, desta quinta-feira, 23, seu projeto de decreto legislativo que daria título de cidadão petrolinense ao presidente Jair Bolsonaro que inclusive tem agenda na maior cidade do sertão pernambucano nesta sexta, 24, quando vem inaugura residencial do Minha Casa Minha Vida no município.

Diante de um plenário tomado por estudantes, com faixas contrárias à matéria e ao governo de Bolsonaro, de lideranças sindicais e de movimentos sociais contrários ao texto, misturando na hora das falas dos vereadores, aplausos e vaias, o vereador autor do projeto, alegou receito de não ver a proposta passar por falta de votos, pois não tinha conseguido maioria absoluta dos vereadores presentes.

FOTOS: JEAN BRITO

“A gente retirou, porque não sentiu segurança na questão da votação e eu não quero botar o título de cidadão para não ser aprovado. A gente tinha no momento 12 votos e eu precisava de 16 votos, mas a gente não vai esquecer e vamos continuar acreditando que vamos aprovar esse título de cidadão ao nosso presidente, Jair Messias Bolsonaro”, afirmou Elias Jardim em vídeo gravado após a sessão.

O vereador recurou também poque seria constrangedor ver um projeto favorável a Bolsonaro ser rejeitado na véspera da estadia do presidente á cidade. Elias é ligado ao grupo do senador Fernando Bezerra Coelho, MDB, líder de Jair Bolsonaro no Senado e responsável pela vinda do presidente à Petrolina amanhã.

PARECER

A bancada da oposição na Casa parabenizou e elogiou o bom senso do colega governista. Conforme a vereadora Cristina Costa, PT/PE, ela apresentou um parecer contrário ao projeto como relatora da Comissão de Educação da Câmara que justificaria a desaprovação do PDL de Elias. Ela explicou que se baseou no artigo 13 da Lei Orgânica do Município que diz que recebe título de cidadão petrolinense quem já prestou algum serviço de relevância no município, mas no caso do presidente, o parecer foi desfavorável porque Bolsonaro além de não atender as exigência legal, ainda nem conhece Petrolina.

“É incoerente e está em desacordo com o artigo 13 da Lei Orgânica do Município. Ele não se encaixa, é inconstitucional. O vereador poderia ter conversado com a Comissão de Educação ou comigo mesma como relatora e eu explicaria que Jair Bolsonaro não se encaixaria no perfil e estaria em desacordo com a Lei Orgânica. Se o vereador Elias Jardim quer homenagear o povo de Petrolina, poderia juntar-se à força política que ele tem para tentar melhorar as condições de vida da população petrolinense”, declarou a vereadora.

Para Cristina, o momento também não seria o mais adequado para que esse texto entrasse em pauta, diante da crise com os cortes na educação superior que atinge diretamente a Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf). A petista acredita que existe tendência de ‘fogo amigo’ na bancada governista, pois a rejeição constrangeria o principal líder dos colegas da situação que é o senador Fernando Bezerra Coelho.

“Tem alguma coisa por trás, porque grande parte da bancada não apoiou. Existem algumas insatisfações da bancada diante da atuação do senador, diante de certos parlamentares da bancada dele, insatisfeitos com o prefeito (Miguel Coelho) e pelo que observei, estavam querendo constrangê-lo. Eu acho que isso é uma vergonha, pois o senador é líder do governo. A gente enfrenta aqui os inimigos e eles o fogo amigo”, assinalou

Conforme a parlamentar, isso só expõe os 23 vereadores. É preciso que cada vereador tenha consciência qual é o seu papel. Vamos chamar a Mesa Diretora. Chega de brincar de dar título de cidadão. O autor deve saber qual é o seu papel nesta Casa para evitar justamente esse constrangimento e ai a sociedade é quem vai julgar. Só peço que não generalize o poder legislativo. Tem gente aqui comprometida e que respeita o cidadão de Petrolina. Não se pode usar a Casa Legislativa para desqualificar ou barganhar fogo amigo entre aliados, insatisfeitos”, disparou Cristina Costa.

Líder do governo, o vereador Aero Cruz, descordou que tenha havido fogo amigo e frisou que votaria favorável, caso o projeto permanecesse na pauta. “Eu voto no projeto. Até porque aqui já passou projetos de títulos para  Fernando Henrique, de Sarney, de Lula, de Dilma. Aí a oposição é contra sempre? O PT é contra por ser contra. Um homem que colocou um filho de Petrolina como líder do seu governo. Ele fez esse reconhecimento e estamos trazendo ele aqui para mostrar o potencial de nossa cidade que é a primeira do interior que ele estará visitando. Essa política de ser contra, porque sou contra, isso não vai a lugar nenhum, A sociedade já não aceita mais. Qualquer vereador que colocar titulo de cidadão, eu vou ser favorável”, ressaltou o líder governista que respeitou a vontade do colega de bancada que achou melhor retirar o projeto.

“Costumo dialogar com os vereadores da bancada. Foi conversado com ele, mas ele achou melhor colocar. A gente orienta, mas não dirige a vontade do vereador. Isso não faz parte do meu feito”, pontuou.

O vereador também foi questionado, se não seria incoerente a vinda do presidente num momento em que estudantes da Univasf estão revoltados com o contingenciamento das verbas na instituição e em todo o ensino superior federal e que a medida atinge diretamente a principal universidade em Petrolina. Aero argumentou a situação dos cortes,  citando desvios e altos salários de reitores que segundo ele, a imprensa registrou, mas nenhuma até o momento no Nordeste e nem em Pernambuco.

“O governo está fazendo essa ação para corrigir onde precisa ser corrigido. Se eu tiver acesso ao presidente, vou falar pelos estudantes da Univasf, mas a segurança é grande. Mas o senador Fernando Bezerra e as demais lideranças, com certeza devem conversar. Se tem um político que defende a Univasf, esse alguém chama-se Fernando Bezerra Coelho como foi o ex-deputado Osvaldo Coelho”, concluiu Aero Cruz.

Confira o vídeo do vereador Elias Jardim que postamos em nosso #CanalTribunna, quando ele argumenta porque optou pela retirada do projeto que seria votado nesta quinta, dando a Jair Bolsonaro, o título de cidadão petrolinense:

 

Tags

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar