Política

Mais de R$ 10 milhões desviados e prefeito afastado na Prefeitura de Itapissuma, Região Metropolitana do Recife

Junto com o gestor, outros integrantes do governo também foram atingidos e também tiveram que se afastar, conforma investigações de grupo especial de combate à corrupção da Polícia Civil do estado.

O prefeito Zé de Irmã Teca (PSD), a vice-prefeita Irmã Elionilda (PP), três vereadores e quatro secretários municipais de Itapissuma, na Região Metropolitana do Recife, foram afastados de seus cargos pela Operação Dragão do Mar, deflagrada pela Polícia Civil de Pernambuco na manhã desta sexta-feira (20).

Segundo postagem do Blog da Folha, as investigações do Departamento de Combate à Corrupção e ao Crime Organizado (Dracco), foram identificados até o momento de desvios de pelo menos R$ 10 milhões. O dinheiro teria sido pago a cabos eleitorais da gestão municipal.

“Descobrimos uma organização criminosa que praticamente loteou a cidade para fins pessoais, angariar votos e desviar fundos. O pessoal da gestão pegava dinheiro que deveria ir para a assistência social e desviava para cabos eleitorais que exerciam funções de limpeza urbana na cidade. Quem recebia esses recursos tinha que participar de comícios e passeatas da gestão municipal”, afirmou o delegado Jean Rockfeller, da Diretoria Integrada de Polícia Especializada.

Entre os crimes investigados pela operação, há suspeitas da prática de falsidade ideológica, peculato, frustração de direito assegurado por lei trabalhista, dispensa e inexigibilidade de licitação fora de hipóteses legais, crime de responsabilidade e organização criminosa em concurso de agentes e em continuidade delitiva.

Foram expedidos pelo desembargador Alexandre Guedes Alcoforado Assunção 21 mandados de busca e apreensão domiciliar, cinco mandados de suspensão do exercício do cargo eletivo, 12 mandados de afastamento da função pública e 1 de quebra de sigilo bancário. A operação ainda solicitou a suspensão do programa municipal “Frente de Serviço” e a proibição do contato entre investigados e testemunhas. A Polícia Civil ainda pediu a quebra de sigilo bancários de todos os alvos da operação.

As investigações começaram em julho deste ano após denúncias da população e identificaram que a cidade não tinha licitação com empresa de limpeza urbana. “Isso já é um indício de que havia algo errado”, acrescentou o delegado. A princípio, o segundo secretário da Câmara de Vereadores deve assumir a Prefeitura de Itapissuma.

Outros detalhes da Operação Dragão do Mar serão divulgados pela polícia em entrevista coletiva de imprensa na próxima segunda-feira (23), na sede do Dracco, no Recife.

Ainda na nota, o  Blog da Folha diz que teria entrado em contato com a assessoria de comunicação da Prefeitura de Itapissuma, mas até a nota postada, ainda não tinha tido retorno e aguarda a posição oficial da assessoria.

Por Redação

Com Blog da Folha

redacaotribunadoestado@gmail.com

Tags

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar