Política

Em reunião nesta segunda, 29, Executiva Nacional do PT reafirma compromisso com a reconstrução do Brasil

Com Agência PT – A Comissão da Executiva Nacional do PT deu início nesta segunda-feira, 29 de junho, a um ciclo de debates em torno de um Programa de Reconstrução e Transformação do Brasil a ser apresentado à sociedade brasileira como saída para as crises política, econômica, social e sanitária. A ideia é apresentar ao país nas próximas semanas um projeto de superação da crise social, econômica e política agravada pelo presidente Jair Bolsonaro, que aprofundou a desigualdade no país e colocou o Brasil no seu pior momento da história.

No centro das discussões, o papel do Estado Nacional, forte, aglutinador e indutor do desenvolvimento, capaz de tirar o país do atoleiro institucional, econômico e social. A ideia de mobilizar os líderes do PT e a militância a rediscutirem um novo rumo para o país é do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O PT voltou a reafirmar seu compromisso com o impeachment de Bolsonaro, alvo de um pedido apresentado pelo partido, junto com outras seis legendas da oposição – PSOL, PSTU, PCdoB, PCB, PCO e UD – além de 400 organizações da sociedade civil.

Lula quer aproveitar o ambiente do debate desse plano de reconstrução do Brasil para levar o PT a intensificar saídas políticas. A ideia é, inclusive, aproveitar o momento para apresentar projetos de lei ao Congresso, que intensifiquem a defesa do SUS, da vida e dos direitos sociais e dos trabalhadores, combinando ainda projetos de lei de iniciativa popular que possam mobilizar a sociedade.

“O cenário é de guerra, mas precisamos começar a lidar com a construção de um novo caminho para o país. A nação precisa voltar a ter esperança”, explica a presidenta nacional do PT, deputada * Gleisi Hoffmann (PR)*. Ela diz que o debate sobre o futuro do país precisa ser traçado neste momento, em que a crise pode ser usada como oportunidade para mobilizar o país a debater saídas para um novo cenário político.

CENÁRIO DE GUERRA

Gleisi diz que as dificuldades do povo são crescentes, em meio à pandemia, e o governo só as tem aprofundado. A economia brasileira vai encolher 9%, o número de desempregados e de trabalhadores na informalidade supera a marca de 50 milhões de pessoas e o Brasil conta com mais de 58 mil mortes por Covid-19, além de 1,2 milhão de pessoas infectadas. Isso tudo sem que o governo Bolsonaro tenha sequer um esboço de projeto para o enfrentamento da crise.

“Se o governo não pode ou não quer desenhar um caminho para a retomada do país no pós-pandemia, com desenvolvimento econômico e justiça social, o PT vai apresentar um projeto a ser discutido com amplos setores da sociedade civil e dos movimentos sociais, além do Parlamento, para retomar a construção de uma nação soberana, que olha para todos e está preocupada em distribuir renda e promover o bem-estar”, explica Gleisi. A proposta em discussão ainda está em fase embrionária e seu primeiro esboço foi formulado pelo Centro de Altos Estudos da Fundação Perseu Abramo, ligada ao PT.

Durante a reunião da Executiva Nacional nesta segunda-feira, a ex-presidenta Dilma Rousseff lembrou que, em todo o mundo, os governos e dirigentes políticos começam a discutir a construção de um futuro em que a desigualdade está no centro dos debates. “O Brasil não pode se dar ao luxo de ignorar o que foi realizado entre 2003 e 2016, quando o golpe parlamentar interrompeu um projeto político que buscava manter o foco no povo brasileiro e no desenvolvimento nacional”, lembrou. “Uma parte da nossa tarefa é retomar as políticas públicas que colocavam os pobres e a maioria da população no centro do Orçamento da União, como beneficiário direto das políticas sociais”.

O presidente da Fundação Perseu Abramo, Aloizio Mercadante, está reunido desde o início do mês com os diversos Núcleos de Acompanhamento de Políticas Públicas (NAPPs), além de representantes das setoriais do PT, para desenvolver o plano. Um primeiro esboço será apresentado nesta terça-feira, 30, às bancadas do PT no Senado e na Câmara. Nos próximos dias, a proposta também será levada aos governadores e prefeitos, além dos diretórios estaduais e municipais, assim como as outras instâncias partidárias. “É um ponto de partida para darmos início ao debate e organizarmos um plano estratégico”, diz Mercadante.

CANDIDATURA DE MARÍLIA ARRAES

A presidente do PT, deputada federal Gleisi Hoffmann, pontuou que a pré-candidatura a prefeita do Recife da deputada federal Marília Arraes, está mantida. Em reunião neste domingo, 28, o diretório municipal do PT na capital pernambucana, havia decidido em reunião com integrantes do partido no Recife, pela aliança com o PSB..

Mas a diretoria nacional do partido assegura que a decisão é ter Marília como representante da legenda em 2020 na capital. “A definição em Pernambuco é pela candidatura própria de Marília Arraes”.

Ainda segundo a deputada, a resolução do Diretório ainda não foi entregue formalmente a ela. “Soube que pedem a reconsideração da Direção Nacional. Pedir e recursar é um direito que todas as instâncias têm”, conclui.

O Diretório do Partido dos Trabalhadores (PT) do Recife decidiu, por unanimidade, em reunião remota neste domingo, endossar a manutenção da aliança político eleitoral do PT com os demais partidos da Frente Popular do Recife. O documento solicita que o Diretório Nacional do PT reconsidere sua posição de lançamento de candidatura própria no Recife, anunciada em março deste ano, e deixe a cargo da gestão local as demais resoluções pertinentes à participação do PT no pleito eleitoral 2020.

Informações de bastidores dão conta que os grupos de Marília Arraes e da presidente nacional do partido, Gleisi Hoffmann, tinham interesse no adiamento ou cancelamento desta reunião. (Com Diário de Pernambuco)

 

 

 

 

Portal Tribunna

Tags

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar